Sabotagem à inovação: descubra se sua empresa caiu nessa armadilha

Talvez você se lembre da rede de locadoras de vídeo Blockbuster. Eles chegaram a possuir mais de 9.000 lojas só nos Estados Unidos, com um faturamento na casa dos 6 bilhões de dólares nos anos de maior sucesso. Mas o que nem todos sabem é que essa gigante teve a oportunidade de comprar uma certa Netflix que estava surgindo no ano 2.000. A recusa se tornou um caso clássico de sabotagem à inovação, que transformou a empresa em uma mera lembrança.

Hoje em dia, inovar deixou de ser uma opção. A dura realidade do mercado é “inove ou morra” — uma verdade que muitos negócios tradicionais estão demorando para assimilar.

Mas por que é tão difícil inovar? Quais são os obstáculos que levam as empresas a criar mecanismos de resistência a esse processo, mesmo que seu discurso seja progressista? É sobre isso que vamos falar neste post.

 Vamos mostrar quais são os sinais de que sua empresa caiu na armadilha da sabotagem à inovação. Fique atento e veja como identificar esse quadro.

O que as empresas estão esperando para inovar?

Boa parte dos gestores e muitos colaboradores entendem que as empresas precisam se reinventar. Porém, na prática, eles encontram (ou enxergam) alguns empecilhos para que esse processo aconteça. Podemos dizer que existem quatro principais:

  1. Líderes acreditam que não têm as pessoas certas para fomentar a inovação;
  2. Colaboradores acreditam que têm as pessoas certas, mas que não encontram apoio na liderança;
  3. As pessoas não são alocadas em projetos que envolvem inovação (ou eles nem existem);
  4. A empresa tem as pessoas certas, mas impede a inovação com uma cultura inibidora.

Portanto, logo no princípio nós vemos uma contradição. Enquanto os gestores acreditam que não têm as pessoas certas, os colaboradores sentem que poderiam fazer mais, mas são impedidos por processos ou barreiras que impedem a inovação.

Além disso, vemos que não existe um esforço intencional nessa direção, observado pela ausência de alocações ou projetos. Finalmente, temos a identificação clara do problema: a falta de uma cultura voltada à inovação.

Mas, afinal, quais são os fatores que tornam a cultura organizacional inibidora da inovação? Vejamos no próximo tópico.

O que impede a inovação nas empresas?

Segundo especialistas, a sabotagem à inovação começa no topo da empresa. Por uma série de motivos, a própria liderança tem medo de assumir uma postura mais arriscada, que é essencial nesse processo.

Para isso, eles se apoiam em crenças equivocadas. Vamos conhecer algumas:

1. A inovação é pontual

Esse é o primeiro erro: achar que a inovação acontece em um momento ou em um projeto. Isso não é verdade. A inovação é um modelo mental. Ele precisa impregnar a cultura organizacional e fazer parte de todos os processos.

Por isso, não adianta exigir que um colaborador que sempre é tolhido quando procura sugerir melhorias reinvente a roda de repente. Para que se chegue a esse ponto, é necessário estimular todos a sempre repensarem como realizar qualquer atividade da melhor forma.

2. É preciso ter lucro a curto prazo

O YouTube é o serviço de streaming mais consumido no mundo. Ele concentra um terço dos usuários da internet e contabiliza um bilhão de horas assistidas por dia. No entanto, até 2015, o Google (empresa que comprou a plataforma) ainda não tinha lucrado com o negócio.

Isso significa que se trata de um erro? Se fosse o caso, com certeza o Google jamais teria investido tanto na plataforma. A questão é que ela levou tempo para ganhar a relevância necessária para conseguir ser monetizada adequadamente.

Com a inovação, acontece o mesmo: nem sempre o lucro vem a curto prazo. Quando a empresa usa o imediatismo para justificar a falta de investimento, ela pode perder a oportunidade de impactar verdadeiramente o mercado.

3. A inovação é espontânea

Esqueça o fenômeno Eureka! Ao contrário do que muitas pessoas pensam, a inovação não vem de uma ideia brilhante que surge do nada. Ela é fruto de análise da situação, identificação de problemas, pesquisa de alternativas e reelaboração de informações.

Perceba que existe todo um processo. Por esse motivo, dificilmente os colaboradores conseguirão inovar se não tiverem tempo para pensar.

Portanto, um dos fatores que inibem a inovação é a falta de encorajamento, tempo e recursos para pensar.  Enquanto eles estiverem sendo pressionados para produzir mais e de forma acelerada, provavelmente atuarão no piloto automático, sem novas contribuições.

4. É preciso evitar riscos

Sucessivas crises realmente deixam os gestores preocupados com riscos. Por isso, muitas ideias inovadoras são inibidas logo no princípio porque, segundo os gestores, seu desenvolvimento causaria a evasão de recursos. O resultado é uma espécie de inércia corporativa.

O grande problema é que, quem evita riscos, também impede a inovação. Pior: muito mais relevante que a crise financeira é o fato de que o mundo continua se movendo mesmo que a empresa fique parada no tempo.

Assim, o preço da falta de inovação é ainda mais alto. Em uma sociedade em que as expectativas dos consumidores estão mudando e concorrentes estão evoluindo, inovar é um risco, mas não inovar traz a certeza da derrota.

5. Para inovar, precisamos investir nos processos

Realmente, reinventar processos é fundamental para chegar a um bom patamar de inovação. Porém, para chegar a esse estado existe um único caminho: investir nas pessoas.

O engajamento dos colaboradores é um ingrediente imprescindível para a inovação. Funcionários insatisfeitos não fazem nada além de suas obrigações. Portanto, é preciso usar diferentes métodos para engajar seu público interno.

Uma boa experiência do empregado, fóruns estimulantes para discussão, feedback individualizado e construtivo, investimento no desenvolvimento pessoal são algumas práticas que promovem o engajamento.

O resultado é comprovado. Como já falamos em outro artigo, as empresas que investem em Employee Experience estão frequentemente nas principais listas de companhias inovadoras, são mais produtivas e lucrativas.

Identificou alguma dessas crenças no seu negócio? Cuidado! Elas podem estar minando as suas chances de se posicionar de forma inovadora no mercado. Agora descubra como reverter essa situação.

Como acabar com a sabotagem à inovação?

Chegou a hora de falarmos um pouco sobre como reverter essa situação e acabar com a sabotagem à inovação. Trata-se de uma questão cultural e, portanto, que precisa ser tratada dessa forma.

O primeiro passo é abraçar a inovação a partir do topo. Os gestores não devem simplesmente acompanhar essa evolução, eles precisam liderar da organização nessa direção, estar comprometidos com esse propósito e dispostos a abrir mão de crenças estabelecidas para fomentá-lo.

Para isso, muitas vezes é preciso desprogramar ideias antigas e desenvolver uma nova mentalidade, aquela que chamamos de Innovation Mindset.

Porém, não basta que a liderança esteja comprometida com a inovação. Muitos colaboradores, do chão da fábrica ao seu atendimento, podem ter excelentes ideias. A empresa não pode correr o risco de ter essas alternativas barradas por gerentes que não abraçaram a causa.

É preciso transformar um grupo de gerentes em verdadeiros líderes de inovações. Eles precisam fazer essa ponte, coletando boas ideias em todos os setores e criando formas de potencializá-las.

Além disso, é preciso gerenciar conflitos que surgem entre a inovação e o core business. Esse, na verdade, é um bom problema, mas que precisa ser solucionado.

Para que a inovação ganhe espaço, muitas vezes é necessário romper com algumas normas explícitas ou implícitas da organização. É comum que isso cause conflitos, visto que alguns diretores ou colaboradores podem achar que seu território está sendo invadido.

Alguns gestores provavelmente se sentirão ameaçados e expressarão isso por meio de preocupações com possíveis riscos. Nessa hora, é preciso ter discernimento para saber quando voltar atrás e quando apostar na nova alternativa, mesmo que ela exija uma certa dose de ousadia.

Finalmente, para acabar com a sabotagem à inovação é preciso desenvolver o Innovation Mindset na organização. Você já leu o nosso ebook sobre esse tema?  Se ainda não leu, faça o download agora mesmo!

 

Lília Barbosa e Creoncedes Sampaio

 

Referências bibliográficas:

https://www.mckinsey.com/business-functions/strategy-and-corporate-finance/our-insights/leadership-and-innovation

https://hbr.org/2012/07/ten-ways-to-inhibit-innovation.html

http://www.information-age.com/9-common-ways-businesses-inhibit-innovation-123459153/

http://www.incrementalinnovation.com/innovation-execution/innovation-inhibition

https://www.ccl.org/articles/leading-effectively-articles/8-factors-that-drive-or-suppress-innovation/

https://www.extension.harvard.edu/professional-development/blog/how-lead-successful-innovation-lessons-experts

https://www.mckinsey.com/business-functions/strategy-and-corporate-finance/our-insights/creating-an-innovation-culture

https://www.forbes.com/sites/tendayiviki/2017/03/05/how-to-create-a-culture-of-innovation-beyond-the-sticky-note/#1f49258474a8

https://www.forbes.com/sites/tendayiviki/2017/10/22/eight-ways-to-transform-your-companys-innovation-culture/#5b15bed5116e

http://www.innovationmanagement.se/imtool-articles/what-is-an-innovation-culture/

https://www.inc.com/thomas-koulopoulos/the-4-steps-to-building-a-culture-of-innovation.html

https://www.bates-communications.com/bates-blog/why-executives-sabotage-their-own-innovation-initiatives

https://hbr.org/2012/06/five-ways-to-ruin-your-inno

http://innovationexcellence.com/blog/2010/12/27/top-10-reasons-why-some-ceos-sabotage-innovation/

Compartilhe essa postagem:
Comentários

Deixe seu comentário

Quer saber mais sobre a Cozex? assine nossa newsletter!