8 Princípios da Liderança Orientada para Resultados: Conheça os Bastidores da Liderança

Os princípios de uma liderança orientada a resultados são uma consequência de uma série de fatores. Nesse artigo, nós detalhamos os bastidores dos 8 Princípios da Liderança apresentados no vídeo Minuto Empreendedorismo & Liderança, publicado na nossa Página no Facebook e no Instagram.

Princípio 1: Ter paixão pelo que faz e viver por um propósito maior

Para ter paixão é preciso existir uma afinidade dos seus talentos naturais e a atividade. Ninguém se apaixona por uma atividade onde as habilidades necessárias para executa-la são inexistentes. Se você ainda não encontrou a sua paixão, talvez,  as suas habilidades naturais não tenham sido descobertas ou utilizadas.

É sofrível liderar sem paixão. Assim como é difícil liderar pessoas que ainda não encontraram a sua paixão. O seu papel como líder é ajudar as pessoas a descobrir o potencial delas e fazê-las viver ao máximo a potencialidade. Por exemplo: há pessoas naturalmente criativas, rapidamente criam algo diferente ou  têm habilidade de escrita, escrevem com fluidez ou têm um raciocínio rápido…enfim, cada pessoa tem talentos e facilidade para executar uma atividade.

Toda e qualquer habilidade pode ser aprendida, seja técnica ou comportamental. Os estudos das forças evidenciam que a busca da melhoria de uma habilidade que não é natural, muitas pessoas distanciam-se do seu melhor. Nesse ponto, perdem a capacidade de ter resultados extraordinários e de sentirem-se mais realizadas e felizes. Muitos líderes concentram-se nas falhas e não nas potencialidades dos seus liderados e perdem grandes talentos potenciais.

O propósito é um tema estudado cientificamente há anos e ele representa o seu porque. Porque você faz o que faz todos os dias? De acordo com as pesquisas de Viktor Frankl, ao descobrir o seu porquê, você se torna uma pessoa mais resiliente; dobra-se diante das adversidades e não se quebra.  Para ter um propósito maior, é preciso, antes, ter um entendimento de si e isso requer desenvolver o autoconhecimento. Comece respondendo a pergunta: “porque sou líder?” Se desejar aprofundar-se sobre este assunto, leia o Livro Significado: guia para a vida, o bem-estar e a paz.

Princípio 2: Congruência

A congruência é fazer o que você fala e faz. É a congruência que gera a confiança e credibilidade. Quanto mais congruente, mais você será respeitado, admirado e confiável como líder. Para fazer o que você fala, será preciso desenvolver a capacidade de observar a si mesmo, durante os eventos diários.

Voltar o olhar para si é um desafio. É muito mais fácil enxergar as falhas do outro do que perceber as suas próprias falhas. Todos os estímulos levam ao ser humano a canalizar as suas atenções ao mundo exterior e pouco ou nenhum tempo é destinado ao foco interior. Para voltar-se ao mundo interior, nada melhor do que praticar o Mindfulness. A atenção plena, alcançada pela técnica da meditação. Essa técnica trás uma série de benefícios interiores e gera um alto impacto externo, como obter relacionamentos mais saudáveis e facilitar o alcance de metas. No ultimo artigo que publicamos em nosso Blog, detalhamos o passo a passo da meditação que leva ao estado de atenção plena. Leia o nosso artigo “Técnicas para Aumentar seu Foco e Desempenho 2/2”.

Princípio 3: Empatia

A empatia é conhecida tradicionalmente como colocar-se no lugar do outro. Pela definição do Daniel Goleman, empatia é o que impede você de fazer mal a outra pessoa.” As pessoas que são capazes de criar situações de sofrimento físico ou psicológico no outro têm ausência de empatia. Um exemplo clássico já estudado são os matadores profissionais, foi comprovado que eles fazem o que fazem pela ausência da empatia. Como desenvolver a empatia? Exercite colocar-se no lugar do outro, a partir do entendimento do ponto de vista do outro e da percepção das emoções sentidas pelo outro. O líder tem a obrigação moral de desenvolver a empatia e a consideração ao outro.

Princípio 4: Conexão Emocional

Conectar-se verdadeiramente com as pessoas, requer empatia e sobretudo a capacidade de comunicar-se por meio de uma linguagem que conecte as pessoas. Ninguém se motiva por um número ou uma meta fria. O líder tem a responsabilidade de conectar as pessoas às metas . Criar um contexto onde a meta tenha um sentido maior do que o número em si. A questão crucial aqui é: Porque esse número precisa ser alcançado? Ao saber o porquê das coisas as pessoas entendem a necessidade do esforço-extra, da pressão e também tornam-se mais adaptáveis às mudanças.

Princípio 5: Motivação

Inspirar as pessoas a serem melhores do que são. O líder que inspira sabe descrever um futuro desafiador, tangível e instigante, onde as pessoas conseguem projetar-se nesse amanhã e a partir disso, mobilizam-se para alcançá-lo. Mais uma vez, surge a comunicação como um veículo que cria um ambiente propício para as pessoas realizarem além do que pensam que são capazes. E, para que essa comunicação funcione é preciso um um outro fator indispensável, descobrir os valores dos liderados. O que realmente é importante para eles? Os valores são mobilizadores de ação, motivadores que levam o indivíduo a mover céus e terra prol dos seus objetivos.

Princípio 6: Reconhecimento. Reconhecer e desenvolver o melhor no outro.

O reconhecimento vai além de dar feedbacks positivos, quando há merecimento. O verdadeiro reconhecimento perpassa pelo desenvolvimento do outro. Desenvolver não é transformar a pessoa naquilo que ela não é. Signifia reconhecer no outro os talentos naturais e fortalecê-los, por meio de oportunidades para uso das forças. Ao fazer isso, o líder contribui para aumentar o engajamento dos liderados , além de naturalmente formar sucessores. Conhecer as forças, por sua vez, requer interagir com o outro, perceber o outro em todas as dimensões, não apenas profissionais e técnicas, mas também pessoais e comportamentais. Para isso acontecer, a sua forma de interagir com os liderados deve mudar. Você deve estar presente e inteiro em cada contato com as pessoas que interagem com você para perceber inclusive o que não é explicitado por meio de palavras.

Princípio 7: Aprender a aprender

O aprender a aprender requer do líder despir-se dos conceitos e aprendizados obtidos ao longo da vida. Não precisa esvaziar o copo, até porque fazer isso é uma missão impossível, e sim, deixá-lo pela metade. Reservar um espaço novo, para o novo; porque onde fica o antigo, o novo não é percebido como relevante. É exatamente por isso que nem sempre aprendemos. Como esvaziar o copo? Desenvolva a sua curiosidade todos os dias, mesmo diante do velho e sobretudo diante do novo. Faça-se perguntas: Qual o ângulo que ainda não vi desta situação? O que preciso aprender para entender isso? Como posso aproveitar esta situação nova para aprender mais?

Princípio 8 – Bater metas.

Este princípio é uma consequências de todos os princípios falados anteriormente, somado ao gerenciamento efetivo. Sem gestão, bater metas é sorte e tem algumas pessoas sortudas por aí, que batem a meta uma vez ou outra, mas não conseguem manter a consistência dos resultados, porque não gerencia o que faz, nem tem a disciplina para medir os resultados até chegar lá.

Os 8 princípios que acabamos de discorrer está longe de ser uma novidade, mas desenvolver os bastidores se trata de você fazer o dever de casa para alcançar esses princípios, verdadeiramente. Isso significa sair do campo das ideias e da retórica e entrar no campo das ações. Difícil? Esse é o seu papel enquanto líder de si mesmo e de tantas outras pessoas que você influencia diretamente ou indiretamente na empresa, na família e na sociedade.

Até o próximo artigo!

Um abraço!

Lília Barbosa & Creoncedes Sampaio

[email protected]/[email protected]

Deseja receber em seu e-mail artigos ou vídeos conteúdos? cadastre-se em nosso Blog.

Compartilhe essa postagem:
Comentários

Deixe seu comentário

Quer saber mais sobre a Cozex? assine nossa newsletter!